sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Crônica Vividas - Coragem




José Ribamar de Barros Nunes*

O sentimento da coragem existe, até demais. Às vezes, pode parecer suicídio. Sei que tal atributo humano existe de verdade. Não o vivi, mas já vi e presenciei alguns exemplos.
Costumo dizer que minha infância pode não ter sido muito feliz, mas infeliz também não foi. O certo é que não me lembro de muitos fatos, alegrias ou aflições.
Sei que gostava de pegar passarinho e pescar no rio. Certa feita, peguei um piau grande e desfilei pelas ruas de Floriano, exibindo-o com orgulho.
Outra coisa que, desde menino, ficou no meu espírito, a saber: Uma observação feita por gente grande que dizia que “o que vale no homem é a coragem”. Ao longo da vida constatei essa verdade. A coragem se mostra uma virtude clara e decidida que rompe muitas barreiras que se apresentam como intransponíveis. Penso que na vida política e militar pesa muito.
No plano internacional registro dois episódios inesquecíveis. O primeiro ocorreu aqui no Brasil. O segundo presidente da república, Marechal Floriano Peixoto, foi perguntado pelo embaixador da Inglaterra como seria recebida no porto do Rio de Janeiro a “Invencível Armada”. Sem pestanejar, o Marechal de Ferro respondeu: À Bala...
O outro acontecimento se deu na “Crise dos Mísseis” em outubro de 1962. O líder cubano simplesmente desafiou o seu vizinho gigante, distante apenas 144 quilômetros da ilha.
Dizem que há homens capazes de enfrentar dezenas de outros homens. Não duvido. Eu, não... E assim caminha a humanidade...

*José Ribamar de Barros Nunes é autor de Crônicas Vividas e Duzentas Crônicas Vividas
E-mail: rnpi13@otmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário