quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

O JUDICIÁRIO DE JOELHOS




 
            Esta ouvi de fonte bastante confiável. Entretanto, se algum exagero há não me cabe culpa nesta história. Estou vendendo o peixe pelo mesmo valor que o comprei. E como não me foi pedido segredo sobre o acontecido, repasso aos leitores tudo o que ouvi. Procuro, apenas e tão somente, ordenar a história de forma a torná-la mais entendível.


           Afiançou-me a minha honestíssima fonte, que certo dia se encontrava em audiência com o meritíssimo Juiz da Comarca de Presidente Dutra, que naquele dia despachava preguiçosamente na sua residência situada na Praça São Sebastião, quando um fato pra lá de inusitado aconteceu. Naquele tempo, é bom que se diga, a dita Praça ainda não possuía uma pedra sequer de calçamento, como de resto a cidade toda também não. As ruas ficavam esburacadas no período das chuvas e, logo que vinha o sol, a poeira cobria a todos com um pó avermelhado que se mantinha em constante suspensão, dando ao ambiente um aspecto triste e lúgubre.


            Naquele dia, na Praça mencionada, o capim-de-burro crescia viçoso, atraindo alguns animais vadios que transitavam livres e desimpedidos pelas ruas da pacata cidade, aprontando todo tipo de estripulia, tão peculiares àqueles irracionais.


Pois bem. Naquela tarde modorrenta, despachava a maior autoridade judiciária do município na sala da sua casa, situada ao lado do Convento das Irmãs, enquanto alguns quadrúpedes aparavam alegremente a grama que crescia livre no Largo ainda à espera de uma ação da prefeitura. Aboletado em uma cadeira situada atrás de uma pesada mesa, local costumeiramente usado para as principais refeições diárias, os dois homens conversavam despreocupadamente. Meu confidente se achava sentado no lado oposto e de costas para um corredor estreito e comprido que dava para a porta de entrada. Naquele instante, trajava sua excelência um vistoso pijama de verticais listras vermelhas e azuis, enquanto desfiava a sua agradável e bem articulada verve. O magistrado achava-se particularmente animado naquela tarde que se encaminhava para o fim.


           De repente, um barulho ensurdecedor chegou até aos ouvidos dos dois homens, interrompendo aquele agradável e amigável colóquio. Em um instante apenas, já era possível identificar um tropel acelerado avizinhando-se de onde eles estavam. Aquele ambiente fechado agia como um amplificador e elevava às alturas o barulho que aumentava de intensidade à medida que a tropeada se aproximava da sala em que os homens conversavam. Aqui abro um parêntese para lembrar que naquelas inauditas eras, a insegurança e a violência já andavam juntas, de mãos dadas, intranquilizando, sobretudo, as autoridades que, vez por outra, viam-se confrontadas com o cano de alguma arma de fogo empunhada por um truculento pistoleiro de aluguel. Não era para causar espanto, portanto, o pavor que tomou conta do ambiente naquele instante.


Assim, um misto de surpresa e terror estampou-se no semblante daqueles homens no instante em que um casal de jumentos irrompeu furiosamente pela sala, deixando tempo suficiente apenas para o interlocutor do juiz jogar-se de lado e fugir do atropelamento iminente.


           O que aconteceu a seguir abalroou literalmente a autoridade do magistrado encarregado pela aplicação e o respeito às leis do nosso país naquele perdido rincão. Munida da sua condição de animal irracional, enquanto procurava escapar do assédio incontrolável de um jumento degenerado, uma pobre jumentinha adentrou ao primeiro local que considerou mais seguro: a casa do nosso juiz, que àquela hora encontrava-se com a porta de entrada descuidadamente escancarada.


            Em louca disparada o animal penetrou pelo comprido corredor até que se viu impedida de continuar fugindo do seu algoz, pois havia abalroado a mesa de reunião e imprensando o pobre juiz contra a parede. Na animais irracionais não respeitam a lei mesmo!


           A cena que se seguiu foi apavorante para aqueles homens. Enquanto o macho dava vazão à sua incontrolável e bestial tara, os dois homens se achavam em posição desconfortável e humilhante. Caído de lado, aos pés da dupla invasora que naquele momento consumava o ato instintivo e animalesco, o visitante observou que o Magistrado se achava em posição muito pior que a sua. Imprensado entre a mesa e a parede, o Juiz era obrigado a receber no rosto uma baba gosmenta que a vitimada deixava escorrer da boca. Era possível jurar mesmo que dava para ele sentir o ar quente e o cheiro de ervas que saia pelas narinas do animal, tão perto se achava o seu rosto do da seviciada.


          Caos instalado, o visitante conseguiu se levantar e logo cuidou de agir para retirar o juiz daquela situação constrangedora. Diligente, num primeiro momento tentou empurrar os animais usando apenas a força dos braços. Não conseguiu sucesso. Os bichos nem se mexeram. Apelando depois para a ignorância, deferiu-lhes alguns chutes na ilharga. Outra vez os bichos nem se deram conta que ele estava ali. Ai já era demais! O pobre magistrado precisava ser retirado daquele estado de completa humilhação. Então, empunhando uma pesada cadeira meu confidente voltou a espancar ainda outras tantas vezes o animal cobridor, mais ele novamente não arredou do lugar, para desespero seu. Não havia força bruta que interrompesse aquele ato carnal.


          Finalmente, concluído o libidinoso entrevero, o mau caráter desmontou da pobrezinha e tomou o caminho da saída como se nada de grave houvesse acontecido. A fêmea o seguiu tranquilamente, parecia não ter acontecido nada com ela. Ao juiz, que estava com a sua autoridade vilipendiada e, literalmente, pisoteada, só restou vociferar contra aquele lugar mergulhado em tão profundo atraso a ponto de submeter um dos três poderes da república a um vexame tão grande. Descabelado, nosso legitimo representante do judiciário gesticulava furioso enquanto apalpava o próprio corpo para identificar se algum órgão ou osso se achava rompido ou fora do lugar. Literalmente havia o soberbo Juiz se ajoelhado ante uma força maior e mais destemida.      

2 comentários:

  1. Vossa excelência, o nobilíssimo juiz, quase foi transferido para a vara do indigitado jumento.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. AhAhAh! O nosso magistrado era um homem notável, não merecia passar por isso!

      Excluir